DE VOLTA AO TRABALHO (OU À PROCURA DELE)

Para quem ainda tem emprego o tempo tão desejado e merecido das férias está a terminar ou já terminou, e para quem anda na luta por um posto de trabalho a verdade é que o Verão, as férias escolares e o calor fazem a cabeça descansar um pouco da aflição da procura.

Mas agora é tempo de retomar a batalha para todas. O regresso ao trabalho parece sempre confuso. O trabalho parece sempre imenso e as horas parecem sempre infinitas. Vem-nos à memória os momentos bons que passámos, já claro com sabor a nostalgia como se tivessem passado cem anos sobre eles… umas férias bem passadas deixam sempre saudades.

O mês de Setembro havia de alcunhar-se de: o doloroso! Especialmente para quem tem filhos. É que ninguém merece tal… depois de sair das benditas férias, de sorrir, divertir-se e conviver para logo de seguida entrar directo em despesas avultas, correrias e corredores de hipermercados por onde quase esquizofrenicamente famílias inteiras avaliam mochilas, estojos, lápis, canetas e tudo o resto que faz falta. Deixa qualquer uma cansada só de imaginar.

Quanto ao trabalho, também já não tínhamos saudades das filas na 25 de Abril, na IC 19 ou em qualquer outra estrada concorrida,  nem dos relatórios a tempo e a horas, nem da nossa máquina ou balcão ou seja lá o que for… mas sabem uma coisa? Ainda bem que há essa correria nas nossas vidas, pois se tal não houvesse a luta era outra…

Mas nada como um chá ( a Tley tem uns deliciosos) ou um café para nos arrebitar 🙂

E é por isso que vos deixo esta nota pessoal de força. Quer seja para quem regressa ao seu trabalho, quer para quem (re)comece à procura dele.

Coragem UltraFemininas! Nós cá estaremos para vos fazer companhia sempre que precisarem de uma pausa na vossa luta. Sempre com artigos ultra actuais, ultra diferentes e claro ultra relaxantes!

— por equipa UltraFeminina

equipa.ultrafeminina@gmail.com


ultrafeminina.pt é mais que um endereço, é o nome da sua nova amiga, da sua nova atitude e do seu novo refugio secreto. Porque ser feminina não basta... é preciso ser ultra feminina!