A VULATILIDADE DOS SENTIMENTOS

A VULATILIDADE DOS SENTIMENTOS

Queridas e queridos Ultras, hoje trazemo-vos um tema que podendo não ser fácil de pensar, também não será difícil de entender.

Nos dias de hoje segue-se uma tendência estranha e fria de gerir as nossas emoções e sentimentos. Amamos enquanto isso não nos prejudicar os planos, damo-nos ao outro na medida que definimos à priori e descartamos momentos de magia vividos a dois como se fossem lixo.

As pessoas andam assim, quanto menos tiverem de se enfrentar a si mesmas e aos seus medos… melhor!

Retirámos ao amor a devida importância que ele tinha no ser humano e até nas sociedades. Caminhamos para uma ausência total e absoluta de amor nos nossos corações. Seguimos. Seguimos sempre como máquinas. Justificamos para nos sentirmos melhor connosco próprios. Inventamos desculpas que justificam a nossa ausência de sentimentos e carácter. Vivemos o momento (sem passado e sem futuro)… que se lixem os sentimentos do outro, que se lixe o compromisso, que se lixe a responsabilidade (até porque a premissa deste novo modo de viver é: Eu não quero ser responsável por nada nem por ninguém!)

Os homens hoje em dia são assim. Justificam-se, justificam-se e justificam-se outra vez!!! Mas ao espelho, e perante Deus e a sua própria consciência quero ver que justificação hão-de inventar para esmagar e pisar os sentimentos de muita mulher que acredita no amor! Que preço irão eles atribuir às lágrimas que foram derramadas por uma mulher de coração partido e alma despedaçada? E no fim das contas? Irão cada um deles examinar a sua alma, o seu coração e honrar os sentimentos que plantaram nesses corações? Terão eles a coragem de dar um passo atrás e confirmar toda a entrega que essa mesma mulher lhes concedeu, ou será mesmo verdade que vale tudo na hora da conquista, para depois largar como uma pastilha que perdeu o sabor? Irão eles olhar por fim directamente nos olhos e abraçar e beijar e por fim… admitir que é amor? Por fim… por fim eu estou certa que o coração triunfará sobre tudo o resto! O coração triunfará!

ACOLHAM ESTE CONSELHO:

[desta que só vos quer bem]

QUEM AMA PROCURA SOLUÇÕES – QUEM NÃO AMA SÓ DESCOBRE OBSTÁCULOS. É A MAIS PURA VERDADE. E NÃO VÃO NA CANTIGA DO “GOSTAR”. “GOSTAR NÃO CHEGA, QUERIDAS ULTRAS!”, se ele “gostasse” assim tanto de vocês, procuraria um compromisso convosco! Porque a vida sem vocês não faria sentido… certo? E não vos quereria perder para outro… certo? E PROCURARIA CONSTRUIR UM FUTURO EM CONJUNTO… certo? Então estamos entendidas, meninas… certo?

– Um brinde a ISTO!

Amamos tão imensamente e intensamente como no momento seguinte descartamos e afastamos e rejeitamos como se TUDO fosse NADA. E que triste que isto é! Nada significa nada. Num oceano vazio de leviendade. Inominável a barbarie que se assiste hoje em dia no modo como decidimos NÃO AMAR, NÃO NOS ENTREGARMOS, PROTEGERMO-NOS DO AMOR! E ELE… que somente nos veio falar de amor. Um dia, arrancar-nos-à do peito definitivamente os corações de pedra e dar-nos-à um coração de carne!

Bem dizendo até melhor… as pessoas vivem isso como um modo de vida. Justificam a decisão de não amar! Esforçam-se para legitimar quando simplesmente se afastam como se nunca tivesse acontecido nada. Então gostam. Umas gostam muito… outras assim-assim e outras até quase nada, mas também deixam de gostar tão depressa como gostaram. Ou gostam em número… Decidem por auto recriação, dar-se a toda a gente e não se dar a sério a ninguém. É o fim dos tempos, das sociedades, o fim do amor, da união, do matrimónio e quem sabe… até das famílias. Nascemos magoados de feridas de amor, crescemos magoados e magoamos porque nos parece normal e aceitável. Não somos capazes de sarar as nossas feridas nem temos a coragem de ajudar a sarar as dos outros… e sinceramente há muito “cavalheiro” por aí que vive muito bem com as feridas que vai causando nos outros… mesmo que alguém nos ofereça o seu colo… quanta frieza, somos covardes!!!!!

E é assim. Tudo volátil e passageiro. Somos todos adultos. Cada um que lide com o seu próprio amor e desamor como bem entender. Cada um que se dê na medida daquilo que conseguir suportar depois. E pobres dos que ainda amam neste mundo cruel.

A falta de compromisso. A incapacidade para tal… Desculpem-me “cavalheiros”, mas não vos fica nada bem.

Não vos fica nada bem somar e seguir, como se o outro fosse o único responsável por aquilo que sente. Como se fosse justo largá-lo num vazio onde não entende o que se passou.

Nós aqui pelo “pasquim” já estamos como a Beyoncé – Be a man and… “Cuz if you liked it then you should have put a ring on it”

Mas o que se é que se passa afinal com os homens de hoje em dia?

E quanto a nós amigas Ultras, nesta selvajaria a que estamos sujeitas… não deixem de amar. Por favor, não deixem. Simplesmente não deixem. NÃO FECHEM NEM ENDUREÇAM OS VOSSOS CORAÇÕES! Se alguém vos largar como se fossem bonecas com quem já não querem brincar, olhem para o céu. Deus disse “Tende presente em vossos corações que não deveis preparar a vossa defesa. Eu vos darei língua e sabedoria a que nenhum dos vossos adversários poderá resistir ou contradizer.” No momento em que rejeitarem o vosso amor, confiem que a Mamã do Céu estará juntinho de vocês, queridas Ultras.

 

Irão eles olhar por fim directamente nos olhos e abraçar e beijar e por fim… admitir que é amor? Ou estaremos condenadas a caminhar num oceano de corações despedaçados? Por fim… por fim eu estou certa que o coração triunfará sobre tudo o resto! O coração triunfará! E estarão lançadas as sementes de um novo mundo. Quando o coração triunfar SEMPRE e sobre todos os medos!

 

por Ana – equipa.ultrafeminina@gmail.com

{a gaja que tem a mania de pensar}


ultrafeminina.pt é mais que um endereço, é o nome da sua nova amiga, da sua nova atitude e do seu novo refugio secreto. Porque ser feminina não basta... é preciso ser ultra feminina!