SANTIFICAÇÃO A DOIS – PRIMEIRA PARTE – Valorizar o outro e valorizar a união esponsal

 

Só uma preliminar curiosidade: sabem porque é que se colocam as alianças e anéis de noivado na mão esquerda? Porque algures entre Roma Antiga e os Gregos antigos, antes da descoberta da medicina moderna, acreditavam que no quarto dedo da mão esquerda existia uma veia que ligava directamente ao coração a que inclusivamente deram o nome de “Vena Amoris” – veia do amor – e que deste modo o sangue saído do coração circulava por todo o corpo, regressando ao coração selado e cunhado pelo amor daquela união! Bonito, não é?

Então olá queridas e queridos Ultras,

 

Depois de visitarmos o menino Jesus no presépio, chega a altura de acompanharmos a Sagrada Família e a Família de Zacarías. Não podemos ficar ali, estagnados eternamente a adorar o menino, José e Maria também não ficaram e os Reis Magos também não! Por isso temos mesmo de abrir o nosso coração e aí sim… através dessa adoração, colocar todo esse aprendizado em movimento.

Ora bem, tema pois, algo difícil de tratar até porque as canonizações a dois são difíceis de encontrar, e por isso faz deste um tema difícil, mas alguém teria de falar dele e sinceramente se fosse fácil, também não seria para nós… corações fortes, dóceis guerreiras e guerreiros do espírito santo… implacáveis contra as forças do mal.

Não se entende muito bem porque é que se fala tanto da defesa da família e da santidade do amor e dos casais e depois os casais canonizados sejam tão poucos! Um contra-senso que vale a pena rectificar, não? Mas para nós, singelas mentes e corações aqui do pasquim o cubo mágico do silêncio é de todos o mais árduo de montar, porém uma vez encaixadas as peças… tudo faz sentido. E sinceramente, o silêncio só por si, diz quase sempre muito mais do que um bando de tagarelas ou vozes alteradas ou bate-bocas de opinião e contra-opinião. Meus queridos, Deus é mais inteligente que isso, OK? E não vai por certo embater de frente com mentes que não estão à SUA altura, como as nossas humanas, com toda a certeza! Há-de ter um plano, o nosso Deus. Como tinha para Moisés… Grande Moisés…

Ouvi vezes e vezes sem conta em homílias e catequeses que o orgulho é o derradeiro calcanhar de aquiles da serpente, e por isso Maria, a nossa mamã lhe esmagará a cabeça, com a nossa ajuda, claro, suas filhas e seus filhos amados, soldados do seu exército de amor no derradeiro combate. Por fim, a serpente sabe que se uma única gota do sangue de Cristo caír sobre a sua cabeça, o seu reinado de orgulho e soberania estará terminado para abrir as portas de par em par a um novo mundo, cheio de luz, fé e esperança.  

Assim sendo, analisemo-nos primeiro a nós mesmos para ver se não estamos a ser “mordidos” pela serpente do orgulho, por exemplo quando nos mostramos reticentes a fazer algo (o que quer que seja) em conjunto, porque a nossa opinião ou as nossas ideias nos parecem a nós mesmos sempre muito melhores… porque não queremos repartir os créditos nem a glória. Queremos ser relembrados sozinhos de forma heróica! (malta que vê filmes a mais portanto) ou pior que isto, quando secretamente percebemos as ideias brilhantes dos outros e no mesmo miserável e mesquinho secretismo as adoptamos como nossas! Pomos as palavras dos outros na nossa própria boca como se fossem nossas. Acontece muito, escondemos o crédito alheio e usamo-lo como se fosse nosso.

Outras vezes, sabemos bem que há caminhos a ser traçadas em conjunto, mas o orgulho nos impele a achar que os podemos lindamente trilhar sozinhos, porque somos auto-suficientes e não precisamos de ninguém para nada.

Coisa feia Ultras!!! O espelho… ora a esse é que é difícil de mentir, e a Deus também não se consegue enganar!

E este artigo só se refere à vivência a dois, mas por este mundo fora, isto que disse acima é o que se vê mais…

No entanto, Deus, mostra-nos que os caminhos da vida são para ser traçados e caminhados em conjunto, homem e mulher, lado a lado, herdaram a terra e foram criados para se complementarem, não para se sobressaírem um ao outro, nem tão pouco para se degladiarem num misto entre perda de tempo inútil, estupidez inexplicável e sofrimento sem proveito nenhum para o próprio e para humanidade. Um quadro triste de miséria mental e de espírito, portanto!

Assim o homem santifica a mulher e a mulher santifica o homem, em conjunto, no dia a dia e nesse entremeio haverá dificuldades, atritos e desentendimentos e haverá vezes em que cede um… outras em que cede outro e o orgulho (entre outros defeitos) vão dando lugar a bonitas virtudes. Como diamantes em bruto, homem e mulher vão-se lapidando por obra das vicissitudes, atritos e discussões do dia a dia, homem e mulher em uniões de amor e cooperação! Como Deus é fantástico, hein!?!?!

Uma pena mesmo é que o amor que muitos de nós têm para oferecer seja tão mesquinho e tão covarde que quer sobressair-se ao outro, usando o amor como forma de sugar e explorar as capacidades do coração do outro. Ou seja, só se amam a si mesmas!

Mas os casais de hoje são assim, focam-se em tudo o que está à volta deles e nunca em si mesmos.  Nunca conseguem ver o dom de amar e ser amado como uma graça concedida e que faz sem dúvida, sempre, parte de um plano maior!

Resultado: o tempo vai passando de forma inútil e sem proveito ou em relações desiguais, porque um quer quer ser soberano sobre o outro. É que é tamanha a dispersão que sinceramente, só por acaso, quando derem por vocês mesmos estarão velhos amargurados e a pensar o que fazer porque o tempo não volta para trás, sendo que foi mais o tempo que perderam do que aquele que souberam aproveitar.

Somos uma cambada de gente parva, em suma!!!

Como numa mesa de xadrez, o demónio vos terá engolido nas suas mandibulas, perdendo a vossa alma todo o tempo em “quês” e “porquês” em “dúvidas” e “medos” e outras mil e uma dispersões sem sentido… num xeque-mate que a mim, Aninhas, ele já percebeu que não engole… por isso, anda a ver se me desassossega tentando engolir todos à minha volta.

Casais… façamos um exercício sério e em seriedade. Quando foi a última vez que realmente despojados de orgulho pessoal ou barreiras ou problemas seja de que espécie for, olharam só para os olhos da pessoa amada para lhe agradecer tudo o que já vos deu? Para observar dentro daquele par de olhos somente a janela para a alma da pessoa sem procurarem lá dentro um reflexo distorcido de vocês mesmos e das imperfeições da vossa alma para verem somente o quão rica é aquela pessoa que amam e que vos ama? E quando foi a última vez que olharam esse para de olhos e em genuína franqueza, e despojados de toda a espécie de “quês” e “porquês” procuraram encontrar lá dentro… fundo naqueles olhos as arestas que as lágrimas daqueles olhos já limaram em vocês mesmos? Todas as vezes que as vossas ideias foram divergentes, todas as vezes que caminharam juntos sendo vocês próprios o apoio um do outro. Todas as vezes que pensaram no vosso prórpio orgulho, medo, covardia e egoísmo, aquela era a pessoa que mais vos amava no mundo, mesmo com todos os vossos defeitos! E que no fundo se não a admirassem e se ela não tivesse valor próprio, jamais a teriam amado. Por isso, olhem para os olhos do vosso par sempre com gratidão, amor, carinho e fraternidade.

Pois se NUNCA o fizeram, façam-no agora e valorizem o OUTRO!

Saír de nós mesmos, para valorizar o OUTRO, aquele ou aquela que Deus na sua misericórdia, bondade e generosidade colocou no nosso caminho, fez cruzar connosco, no seu admirável e respeitável puzzle da vida, para nos apoiarmos e santificarmos. Aquele que nos acorda quando caímos exaustos nas areias do deserto… Não será este o caminho primeiro da santificação? O ponto de partida?

Não é afinal assim que começa o NOVO TESTAMENTO? Deus visita Maria e José, para logo de seguida Maria visitar Zacarias e Isabel? O novo projecto de Deus se inicia logo assim. Com a apresentação de dois casais. Um em que Deus se fez homem pelo menino Jesus e outro em que os homens se iluminam por Deus, por João Baptista! E em que há dois casais de exemplo.  Mas é preciso ser sobredotado  para entender o que diz na Bíblia?? Será mesmo preciso estudos e análises e contra-estudos e blá blá blá… sinceramente DESLIGUEM OS COMPLICOMETROS!!! Estão a dispersar-se e a errar compulsivamente e obstinadamente com tanto estudo e estudozinho e análise e teoria… querem provar a vossa sabedoria superior a quêm afinal? Porquê? Qual é o objectivo? 

REPITO:

NÃO COMAM DESSA ÁRVORE! Fomos feitos só para AMAR, DAR GRAÇAS E LOUVAR A DEUS! E olhem que SÓ ISTO, já é um trabalho e tanto!

Tal como na Sagrada Família de Nazaré, o exemplo dos exemplos, esmagador e irrefutável, homem e mulher santificam-se mutuamente, de uma forma singular e irrepetível está claro, é a Sagrada Família, mas também no nosso patamar como na família de Zacarias e Isabel, não só as almas são santificadas como os corpos também.

Falemos a sério minha gente, as nossas hormonas, os nossos olhos e os costumes nos chamam a um sem fim de parceiros e parceiras no que toca ao campo da nossa sexualidade… porém em Deus, o próprio Deus nos obriga a tomar uma esposa e um esposo e À UNIÃO PLENA DAS MENTES, DAS ALMAS E DOS CORPOS, e ambos trabalharão em conjunto, pensarão em conjunto, etc. Que o nosso corpo pertence àquele homem ou àquela mulher e a ninguém mais… e pronto! Aceitando isto, o quarto é de cada casal, a cama também e ali “serão um para o outro e ambos para Deus” aniquilando de vez a promiscuidade de dormir hoje com um, amanhã com outro e no dia seguinte com outro ou outra qualquer, num jogo perigoso onde não só o corpo sai maculado, como o coração também, pois cada vez que o corpo se entrega é o coração que procura consolo. Resultado: saímos irremediavelmente magoados porque fomos feitos para amar numa relação de homem e mulher, de corpo e alma de um para um e nos complementarmos. Ao invés disso, degladiamo-nos quando somos na verdade, aliados!

 

Por outro lado, a privação de relações de intimidade humana entre homem e mulher causão males que se agigantam nas sociedades e no mundo, como a preversidade que nasce primariamente no pensamento e depois se alastra, degenerando em males de que não faleremos agora, como o sexo descomprimetido até coisas bem mais sérias como a prostituição e até a pedofilia ou outras preversidades em que o outro se transforma só num bocado de carne. Isto, porque nos negamos a caminhar aquilo que é ao mesmo tempo um caminho de cruz, mas também de uma verdadeira e imensa graça ao mesmo tempo: crescer em intimidade, santificação e cooperação com um só homem ou uma só mulher e a partir dessa base, tal como Maria e José, tal como Zacarias e Isabel e tal como deveria ser a realidade, a partir daí… crescer e florescer para o mundo.

 

Quanta cegueira, Senhor!!!! O TEU povo é cego Senhor… e conduzido por cegos! Não fazem por mal, Senhor… mas um cego não pode conduzir outros cegos ou cairemos todos num buraco! VEM SENHOR JESUS… Humildemente te pedimos… e se ainda não estiver na TUA hora, envia o TEU espírito e ILUMINA a terra inteira.

Agora a falar a sério!!!! Como é que alguém pode subir a um palanque e defender as famílias com garra, pronunciar-se sobre a santificação dos casais, preparar seres humanos para uma vida inteira em comum… sobretudo no século XXI, sem ter o mínimo de conhecimento de causa sobre a matéria? Parece anedótico até!

Hoje em dia as pessoas já não são camponeses analfabetos. São pessoas estudadas que se questionam e que no fundo se perguntam a si mesmas: Mas afinal o que é que este sugeito sabe sobre coisas tão práticas como birras de crianças? Sabe lá ele o que é estar zangado com a mulher! Sabe lá ele o que é difícil aturar a TPM feminina ou as hormonas em sobressalto no período fértil! Quem é afinal este sugeito para me dar conselhos?  

É PRECISO SER VERDADEIRO EXEMPLO DA PALAVRA DE DEUS. VERDADEIRO EXEMPLO DE CARNE E OSSO DO QUE É SER E TER UMA FAMILIA E FAZER O MAIOR ESFORÇO PARA VIVÊ-LA EM DEUS E NO EVANGELHO.

TEMOS DE IR BUSCAR EXEMPLO AOS SANTOS! CONCORDO!

MAS E ONDE É QUE ELES ESTÃO? Estão datados de à 2000 anos nas areias do deserto e recorreremos aternamente a metáforas para nos desenvencilharmos dos nossos próprios nós e amarras ou então vamos todos caír pelo abismo abaixo!

Eu estou certa que Deus não abandonará o seu povo e se quem de direito não passa cartão e isto é a modos de que uma espécie de fim dos tempos, Deus qualquer dia entra em requisição civil assim numa espécie de mística selvagem, num parto doloroso e silêncioso em que a voz e a vontade de Deus vai silênciosa e discretamente invadindo a terra inteira, como uma brisa suave, de coração em coração. Até que um dia, os coração serão demasiados para ser silenciados.

 

Isto faz-me lembrar uma metáfora caseira: quando vejo a minha filha passar inumeras vezes pela pia cheia de loiça suja eu digo: “Filha, o facto de passares pela loiça suja e fingires que ela não existe não vai fazer com que ela se lave.”. Então a minha filha muda de atitude e encosta-se na bancada em frente à pia numa atitude silênciosa e contemplativa e eu também mudo de discurso: “Filha, que bom que já viste a loiça suja na pia. Que bom avanço, porém essa atitude estática não irá fazer com que a loiça se lave sozinha!”. Passado algum tempo e vendo que a minha filha continua na mesma atitude de não-atitude, pergunto-lhe: “Olha filha… quando é que vais efectivamente descongelar e pôr as mãozinhas a lavar a loiça?” e na realidade ela só vai entender o que é lavar a loiça e poder falar sobre quanto é chato lavar a loiça, quando efectivamente desencostar o cu da bancada e começar a esfregá-la.

 

O amor é assim. Dá trabalho e exige de nós esforço físico e espiritual. Sobretudo quando montamos muros à nossa volta e depois temos de os desconstruir, aproveitando as pedras para fazer uma ponte. Mas o amor é paciente e humilde, por isso onde existe amor ninguém está sozinho. Quando amamos, o derradeiro sinal de que aquela alma e a nossa foram unidas pelos céus é a constante e bonita palavra: SAUDADE.

Um sentimento de ânsia… um alerta divino de que estamos a viver sem a outra metade de nós!

 ANA UAHASHTNI

(que em árabe significa, eu sinto saudades de ti)

Melodia sublime de nome Yearning – ‘Ana ‘Atuq – “Sinto anseio / ânsia”

FIM DA PRIMEIRA PARTE

[ 2ª parte – mas o que é afinal, o amor? ]

por Anaequipa.ultrafeminina@gmail.com

{ a gaja que tem a mania de pensar, mas não pensa sozinha }


ultrafeminina.pt é mais que um endereço, é o nome da sua nova amiga, da sua nova atitude e do seu novo refugio secreto. Porque ser feminina não basta... é preciso ser ultra feminina!