Natal a Preto e Branco

Olá queridas Ultras,

Por aqui abrimos as portas ao tão esperado Natal com o nosso artigo sobre a I Semana do Advento (Clicar para ler) no nosso espaço Wi-Fé (Clicar para ver) e agora seguimos montando e desmontando toda esta quadra em [quase] todas as suas vertentes.

Pois é, amigas Ultras… e para iniciar resolvemos reiniciar…

Desligar da corrente, fazer “Reset” e voltar a ligar!

E se o Natal, que é vulgarmente um “bling”, cintilante e reluzente se tornasse nisso mesmo… vulgarmente… vulgar? Se fosse só isso mesmo: um piscar de luzinhas que quase nos provoca um ataque de epilepsia? Se tudo se tornasse tão rotineiro que até a melancolia ou a nostalgia ou o agrado ou desagrado em relação a esta quadra, a excitação ou a falta dela… fossem exactamente a cópia do sentido nos anos precedentes?

E então lá se finda o Verão… lá se inicia Setembro com todas as suas “rotineirices”, e nós lá vamos à “carneirada” refugiar-nos cada um nas suas formatações. Sem questionar. Sem pôr em causa.

E num ápice se finda Outubro. A meio de Novembro já se enchem os centros comerciais de montras e decorações. Temos de fazer isto e aquilo e mais qualquer coisa… TEMOS! Mas será que temos mesmo? Será que sentimos realmente o espírito natalício a encher de Menino Jesus cada uma das nossas artérias, e depois as veias e depois cada um dos poros da nossa pele, até que convidamos a Sagrada Família inteira a cear connosco?

Estou certa que não… somos uns míseros cumpridores de calendários… vamos vivendo à tona da água sem nunca alcançar nenhum tipo de profundidade, com nada nem com ninguém, inclusivamente com aqueles que nos são mais próximos, essas são as nossas primeiras vítimas.

Somos míseros hipócritas que se afirmam cheios de espírito natalício mas que se negam a renascer… a viver verdadeiramente o Natal, a perdoar e a oferecer o perdão [e convenhamos que esse perdão muitas vezes nem chega a dobrar o ano novo]! PEDIR DESCULPA NÃO DÓI. OK, ULTRAS? (e depois é tão bom que sentimos uma sensação de leveza, como pequenos passarinhos esvoaçantes, capazes de cantar novamente). O orgulho mata e destrói o menino Jesus que quer viver em nós! Inocente e confiante no único Deus que é Meu e Vosso PAI e que nos ama e nos quer cuidar e ver servi-LO em alegria e felicidade. Nenhum pai e muito menos Deus, quer ver os Seus filhos infelizes, de costas voltadas e muito menos ELE é o nosso carrasco, logo ELE que é todo amor, todo bondade, todo ELE feito de coração! Somos demasiado cheios de nós mesmos para estender a mão ao nosso próximo, porque ele nos conheceria o rosto e mais cedo ou mais tarde nos pediria ajuda novamente… oferecemos ajuda de forma colectiva, para nos conseguirmos encarar ao espelho, porque isso nos descompromete de forma particular, e essa é a verdade! Isentamos-nos. 

Pois o desafio é este: olhar ao espelho e compreender que somos tão esquisitos, estranhos e sem cor como um negativo de uma fotografia foleira qualquer… começar um exercício difícil e extenuante de arrancar o próprio coração do peito, entregá-lo a Deus e afirmar que de CORAÇÃO NAS MÃOS doravante iremos fazer TUDO, mas tudo COM O CORAÇÃO… sem mais formatações, por obrigação ou rotina… A nossa única rotina deveria ser a obrigação de AMAR.

Somos “tiradores” de fotocópias a preto e branco de nós mesmos e da realidade que se vai repetindo de uns anos para os outros… porque isso nos é confortável e seguro, seja lá qual for o grau de entusiasta em que nos inserimos, seja qual for o nosso papel na sociedade. Temos a estúpida mania de nos comportar como “sabichões” imutáveis que uma vez chegados à idade adulta, já nada têm para mudar, aprender, alterar, etc. e isso, faz de nós nada mais que retratos distantes a preto e branco daquilo que poderíamos ser se nos deixássemos colorir.

Quando colocarmos o coração a pensar por nós, veremos Deus, seremos nós um pequeno menino Jesus frágil e vulnerável que o próprio Deus se encarregará de pintar com as cores mais bonitas do céu. Nesse dia, o nosso sorriso por si só brilhará mais que uma árvore de Natal e o nosso abraço valerá mais que todos os presentes do centro comercial e a nossa presença iluminará mais que um céu estrelado… porque aí… queridas e queridos Ultras, o nosso coração estará em Deus e na SUA incomparável incomparabilidade e Deus estará vivente no nosso coração a passear-se pela terra e Deus não será senão “o outro”, o nosso próximo, a pessoa que está à nossa frente. E um coração cheio do amor que Deus encheu, reconhece-se! Há algo inato em nós que O reconhece!

Por isso, amigas e amigos… nada contra… façamos a nossa Árvore de Natal, a decoração mais bonita e cintilante, as iguarias todas e mais algumas que são tradição, sentem-se à mesa mais original e composta, ofereçam lembranças uns aos outros, mas sobretudo, por favor não se esqueçam de fazer tudo isso… com o coração, ofereçam mais que tralha… ofereçam o vosso esforço a quem mais amam, não o esforço de comprar um presente bonito e caro… mas sim o esforço da mudança e do verdadeiro empenho,  aceitem ou peçam perdão a quem o vosso coração chama sem cessar e a quem desse vosso esforço precisa (e todos precisamos… eu falo por mim, que sou carecida de tudo) e aceitem que Jesus, Maria e José invadam a vossa vida e vivam no pequeno coração que carregam nas mãos… Vivam com o coração amigas e amigos… Vivam com o coração e Ele vos presenteará com misericórdia tal, que nem vocês mesmos conseguirão acreditar!

CREDITEM: Se o Senhor é o meu pastor, NADA me faltará! – E isto é a absoluta verdade, amigas e amigos. Ele há-de tratar-vos com afeição tal que levará até vocês exactamente aquilo que só Ele poderia saber que vos preencheria a alma e o coração para O servir em alegria! E ainda trata de sarar o vosso coração pelo caminho… “Quem como Deus…” realmente!

Eu mesma admito, não sou perfeita… nem tenho ambição de tal! Haverá sempre algo imperfeito em nós… e em mim então, nem se fala. Eu sou a imperfeição feita gente… mas faço um esforço de viver com o coração e de me entregar sempre confiadamente ao trato do Senhor… seja lá por onde for que ELE me queira guiar. Seja qual for o desafio! Sempre de coração nas mãos, quando estou perto de alguém é só isso que eu sei fazer, oferecer-lhe o coração… até porque descobri que NADA MAIS TENHO para oferecer. 

E confesso… este Natal para mim está bem cinzentão… mas eu sei que de coração nas mãos as cores cintilantes e bonitas não tardarão a aparecer.

Ficam por isso notificadas e notificados… todos os Ultras e todas as Ultras de que… O NATAL FOI OFICIALIZADO!

Erga cada qual o seu coração ao alto, porque esse é o desafio… Fazer o bem, perdoar, abraçar, amar sem reservas e sem limites, ajudar, entregar, confiar… até que o Senhor, na sua pequena manjedoura, faça do nosso coração uma estrela tão cintilante, mas tão cintilante que seja para o mundo escuro de hoje como uma pequena [ou grande] Estrela de Belém! – e todo o ano… se fazem favor!

Bora nessa… malta?

Ajudem-nos a repassar esta mensagem, é muito importante, bora pôr o Coração de Jesus a bater mais e mais e mais… bombeando amor para toda a humanidade! Começa aqui! Começa agora, começa em cada um de nós! Quando Jesus nascer naquela manjedoura no próximo dia 25 de Dezembro irá começar o triunfo do SEU IMACULADO CORAÇÃO!

por Anaequipa.ultrafeminina@gmail.com

[ a gaja que tem a mania de pensar, mas não pensa sozinha]

 

SUGESTÃO MUSICAL – PORQUE O NATAL SÃO AS PESSOAS E NÃO AS COISAS:

 

 

 

 

 


ultrafeminina.pt é mais que um endereço, é o nome da sua nova amiga, da sua nova atitude e do seu novo refugio secreto. Porque ser feminina não basta... é preciso ser ultra feminina!