PORQUE É QUE SOMOS TÃO CRITICOS

PORQUE É QUE SOMOS TÃO CRITICOS

A critica é supostamente uma coisa boa. E nós acreditamos que sim. Ter opinião própria, não ter receio de se exprimir e possuir um ponto de vista próprio. Tudo isto é maravilhoso quando na sua medida certa ou quando é realmente genuíno e construtivo.

Pior é mesmo quando pegamos nestas premissas boas e nobres e as aproveitamos para magoar, destruir, diminuir e humilhar os outros, para depois nos refugiarmos na tão nobre “Só dei a minha opinião”.

A maior parte dos “críticos a tempo inteiro” criticam só por criticar. Formataram o cérebro em compartimentos quadrados e tudo o que não encaixe é ferozmente e desmedidamente apontado. Não há limites para as expressões, acusações e argumentações. Vale tudo! Só me resta saber para quê. Qual é o objectivo?

Claro que nascemos livres e com o direito de opinar, e isso é inquestionável, porém, quando o fazemos de forma a denegrir a imagem de algo ou alguém, isso já vai para além da nossa liberdade. Mesmo que esse seja o nosso meio de vida (há pessoas cuja profissão é opinar sobre isto ou aquilo) não há ninguém que tenha nascido com o direito de magoar ninguém ou de contribuir activamente para acabar com a reputação de alguma coisa ou de alguém.

“Puseram-se a jeito”. Já li e ouvi esta frase milhares de vezes. Ora, uma coisa é eu experimentar o produto X ou Y e ter o direito absoluto de falar sobre a minha experiência. Usando linguagem adequada e claro, exprimir o meu agrado ou desagrado, bem como referir o que penso que poderia ser melhorado… ou até eu ligar a televisão e de repente, começar a dizer que são todas umas pindéricas, e que os vestidos são horrorosos. Vejamos, eu TENHO O DIREITO DE DIZER QUE NÃO GOSTEI, e que até achava que o vestido podia ser outro, mas jamais posso chamar ninguém de pindérico. Isso magoa e é errado.

O que me preocupa seriamente é que as pessoas se riem e alimentam esta coisa de rebaixar os outros… como se tudo à sua volta fosse um circo! E as opiniões hoje em dia são cada vez mais destrutivas, parece que trazem na alma uma lâmina que não se cansa de apontar.

Um dia gostava de ver a lâmina do criticismo virada contra quem critica excessivamente, quem não é tolerante, contra quem atira uma pedra sem nunca esperar que lha atirem de volta. É que curiosamente quem é obstinado com a critica raramente encaixa ser criticado. Curioso, não é?

Gentileza gera gentileza minha gente.Se alguém é feliz a magoar e enxovalhar (seja pessoas, produtos, serviços, etc.) é porque tem um problema. Um problema de falta de empatia com os outros, algum tipo de sentimento de superioridade e distanciamento e isso não pode ser bom. Às vezes até me parece roçar algo do tipo anti social. Gente que pensa que é perfeita e nunca falha.

Por trás de um vestido à sempre uma mulher, e por trás dessa mulher à sempre uma quantidade de gente (amigos, familiares, colegas do emprego, etc.) e claro que ninguém quer imaginar o estado de espírito dessa pessoa após uma critica desmedida, cruel e excessiva só porque foi infeliz na escolha da roupa para ir ao baile… pobre cinderela!

E por trás de um serviço/ produto há todo um universo de gente cujo seu ganha-pão é esse…

Aliviem o fardo nos nossos e vossos próprios ombros Ultras, não estejam sempre de espada desembainhada. Relaxem!

Todos têm o direito de falhar. FALHAR É BOM! É bom para a nossa construção, e não tem de ser uma ferida que abre e sangra demais. Coisas fúteis, insignificantes ou de parca importância não deviam arder mais que um arranhão. A vida tem coisas tão realmente sérias e tão realmente duras…

Da próxima vez que alguém falhar convosco, ou que tenha sido humilhada na vossa presença, ofereçam-lhe um sorriso, digam “NÃO FAZ MAL, TODOS FALHAMOS.”

— por equipa UltraFeminina

equipa.ultrafeminina@gmail.com

 

 

 

 

Seguir a UltraFeminina

Gostou? Partilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Em destaque

Artigos relacionados

O AMOR

Não é porque nos aproximamos do Natal que este tema deve ser debatido aqui no pasquim das Ultras. É sim, porque nos parece pertinente para