SER FELIZ EM XXL

SER FELIZ EM XXL

Felizmente parece que amainou a onda da super magreza, mas a pressão para corpos perfeitos e mulheres que só vestem o M nas fases más continua a inundar revistas, televisões, rádios, etc.

É a dieta disto para aqui, a dieta daquilo para ali. Mil e uma coisas para emagrecer até ao verão, caber no bikini até a abertura da época balnear vigiada, eu sei lá…

Emagrecer? Sim, claro. Quem não gostaria? Até porque o excesso de peso está associado a sérios problemas de saúde, mas vamos com calma miúdas. Tratem de se certificar que se amam a vocês próprias primeiro com todas as vossas virtudes e defeitos.

Não há neste cantinho à beira mar plantado uma única apresentadora  de televisão XXL, ou capa de revista de moda com uma personagem visivelmente “plus size”.

“Pessoas gordas, queres tu dizer?” – sim, pessoas gordas. São pessoas gordas. Mas se eu quisesse chamar as pessoas de gordas, chamava e não precisava de pedir licença. Acontece é que parece que essa palavra se associa a algo depreciativo socialmente e eu sou mais do tipo igualdade e inclusão.

Há pessoas magras, gordas, assim-assim, loiras, morenas, altas, baixas, etc. são características e não podem definir-nos como um estereotipo, entendem? A infelicidade da questão está em quando as pessoas com mais peso se sentem mal. Quando começam a sentir que se pesassem menos a vida lhes sorriria de outra forma. E eu até acredito que não seja só “mania da perseguição”.

Também acredito que possa haver um pouco de falta de auto-estima associada e que por isso as mulheres XXL se ponham instintivamente um pouco “de parte” como forma de se protegerem da possível rejeição.

Sem medos meninas, uma mulher bonita, será sempre uma mulher bonita. A sensualidade não está obviamente  na etiqueta das calças, nem tão pouco no ponteiro da balança e é por isso que deve amar-se a si mesma e respeitar-se tal como é. Uma mulher cuidada, bem vestida, de rosto lindo despertará sempre olhares e o carácter é sempre o que conquista verdadeiramente.

Eu estou certa que os homens gostam de mulheres de atitude e que estão confortáveis na sua própria pele, e estou acima de tudo certa que se abraçar a sua figura como ela é vai ser muito mais feliz, por isso, vamos dar menos valor a palavras como “disfarçar”, “atenuar” e “distrair” e vamos abraçar palavras como “assumir”, “gostar”, “valorizar”.

Deixo-vos algumas imagens, quer de modelos Plus Size em pleno exercício da sua profissão de modelos e que são de cortar a respiração quer de alguns looks que achámos bonitos no seu conjunto total e algumas ideias, tudo para que HOJE inicie uma nova atitude e uma nova amizade com o espelho.

A capa deste artigo é a modelo Denise Bidot, que em entrevista contou a sua história em que revela uma parte da vida que viveu sem auto-estima, para depois de forma poderosa afirmar “I started to see Myself as beautiful.” [Eu comecei a ver-me como bonita] – e quando uma mulher diz isto, o mundo rende-se aos seus pés. Não foi um ponteiro de balança que impediu esta Ultra de vingar na vida… e não o poderá ser com nenhuma de nós!

Atenção, não quero com esta ode discriminar quem não consegue sair do XXS, quero simplesmente elogiar as mulheres pelo que são, como são e nunca como a sociedade, a publicidade ou “os outros” gostariam que elas fossem 😉

Por Equipa UltraFeminina

equipa.ultrafeminina@gmail.com


ultrafeminina.pt é mais que um endereço, é o nome da sua nova amiga, da sua nova atitude e do seu novo refugio secreto. Porque ser feminina não basta... é preciso ser ultra feminina!